Menu

Noticias do ICB

teste

Portal do Instituto de Ciências Biológicas - ICB Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG
  1. UFMG Jovem comemora 20 anos e abre portas para a educação infantil

    UFMG Jovem

    Pela primeira vez, a UFMG Jovem, feira de ciências da educação básica de Minas Gerais, abrigará projetos da educação infantil. “Na sua experiência cotidiana, a criança também é afetada pelo diferente, pelo imprevisível, pelo estranhamento e procura explicações. Assim também é o cientista, que procura, antes de tudo, ser curioso, inventivo e criativo, qualidades que sobram nas crianças e devem ser preservadas e cultivadas”, justifica a professora Débora d'Ávila Reis, do departamento de morfologia, coordenadora do evento.

    Biodiversidade, tecnologia e arte é o tema da edição que comemora os 20 anos do evento. A temática está associada às discussões da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia. As atividades, que ocorrerão nos dias 19 e 20 de setembro, no hall do CAD 1 do campus Pampulha, serão, de alguma forma, atravessadas pela memória das edições anteriores. Pessoas que participaram de eventos anteriores, em especial da primeira edição, em 1999, falarão de suas experiências e aprendizados. Um vídeo com imagens históricas da UFMG Jovem também será exibido.

    “É um orgulho fazer parte desta instituição, que, por meio de diversas atividades procura estar sempre próxima da educação básica, contribuindo, escutando, dialogando e propondo reflexões sobre a ciência e a educação em nosso país”, afirma a professora Débora. Segundo ela, o evento proporciona maior interação de professores e estudantes em decorrência do encontro de escolas de todo o estado, com apresentação de projetos que estimulam o pensamento crítico e a criatividade. “A expectativa é ver coisas novas surgindo de diferentes regiões de Minas”, afirma a coordenadora.

    Inscrições
    De acordo com a chamada do evento, professores de escolas públicas e privadas da educação infantil, ensino fundamental e ensino médio (incluídas as modalidades da educação profissional e EJA) podem inscrever até dois projetos para participar da feira. O prazo termina em 7 de julho, e o resultado da seleção será divulgado no dia 9 de agosto. Os estudantes escolhem os temas, com base em observações prévias, e propõem soluções para resolver problemas em suas comunidades ou escolas.

    A última edição da UFMG Jovem foi realizada em outubro do ano passado, com o tema Ciência, tecnologia e matemática para o bem comum. Foram selecionados 67 trabalhos desenvolvidos em 62 escolas de 28 cidades do estado. “Em sua grande maioria, eles trazem questões que suscitam reflexões relevantes, na medida em que são diretamente relacionadas ao dia a dia das próprias crianças e jovens e às suas inquietações” destaca a coordenadora.

    Estudantes da Escola Estadual João Pinheiro, de Ituiutaba, ficaram com o primeiro lugar no ensino fundamental com o trabalho Efeitos dos agrotóxicos aplicados em canaviais nas culturas adjacentes. No ensino médio, o melhor trabalho –Leishmaniose: conhecer para prevenir – foi desenvolvido por alunos da Escola Estadual Professor Zoroastro Vianna Passos, de Sabará.

    Na época, a TV UFMG percorreu os estandes na Praça de Serviços e entrevistou autores de alguns projetos. Assista ao vídeo:

    https://www.youtube.com/watch?v=e0dme0IsVQI

    A UFMG Jovem é promovida pela Diretoria de Divulgação Científica (DDC), vinculada à Pró-reitoria de Extensão (Proex). Mais informações podem ser solicitadas pelo e-mail ddc-conhecimentoparatodos [AT] proex [DOT] ufmg [DOT] br ou pelos telefones 31 3409-4427 e 31 3409-4428.

    (Créditos da notícia: Samuel Resende/UFMG. Créditos da imagem: Júlia Duarte/UFMG)

  2. UFMG desenvolve equipamento portátil para diagnóstico de doenças

    Be A Fashion Guru

    Pesquisadores do Instituto de Ciências Biológicas (ICB) e do Departamento de Física do ICEx desenvolveram equipamento portátil capaz de realizar diagnóstico rápido de doenças. A tecnologia, que identifica patógenos em amostras por meio de nanossensores, está sendo utilizada pela Escola de Veterinária para identificação de leucemia em gatos. Assista ao vídeo sobre a inovação produzido pela TV UFMG.

    https://www.youtube.com/watch?v=H20PWT8HYhs

    Os biossensores foram criados com o uso da nanotecnologia. Nanobastões de ouro são colocados em uma solução, e neles é aplicada uma molécula – o antígeno de uma doença, por exemplo. Quando entra em contato com moléculas de diagnóstico (presentes nas amostras de sangue, urina ou saliva, por exemplo), o dispositivo é capaz de detectar se houve um aumento do tamanho do nanobastão. Esse aumento significaria, nesse caso, que o anticorpo da doença se conectou ao antígeno, revelando um resultado positivo.

    Tecnologia nacional

    Na Escola de Veterinária da Universidade, o professor Jenner Reis e a equipe do Laboratório de Retroviroses estão utilizando o dispositivo para identificar o vírus da leucemia felina. O diagnóstico é feito por meio de um material importado – o que eleva o custo do exame. Com a plataforma desenvolvida na UFMG, baseada em tecnologia nacional, o custo é menor e o resultado, mais rápido e eficiente, segundo Jenner.

    Para o professor Ary Corrêa, do ICB, um dos coordenadores de estudo, a
    plataforma facilita o processo de diagnóstico porque pode ser facilmente transportada e dispensa a presença de um laboratório. Os resultados podem, ainda, ser compartilhados por rede, uma vez que a tecnologia é controlada manualmente por um aplicativo instalado em smartphones.

    Ficha técnica: Renato Temponi (produção e reportagem), Antônio Soares e Ravik Gomes (imagens), Kennedy Sena (edição de imagens) e Pablo Nogueira (edição de conteúdo).

     

  3. Primeiro UFMG Talks teve participação do ICB

    UFMG Talks

    A fachada do Espaço do Conhecimento UFMG, que fica na Praça da Liberdade, Zona Sul de Belo Horizonte, anunciava mais uma iniciativa da Universidade para colocar a ciência na rua. Na noite da última segunda-feira, 10, cerca de 220 pessoas participaram da première do UFMG Talks. O evento foi realizado no auditório principal do Centro Cultural Banco do Brasil (o teatro tem capacidade para 267 pessoas), que, assim como o Espaço do Conhecimento UFMG, integra o Circuito Cultural Praça da Liberdade.

    A primeira edição, realizada na noite de segunda-feira, 10, reuniu a professora Sandra Regina Goulart Almeida, da Faculdade de Letras e atual reitora da UFMG, e o professor Sergio Danilo Pena, do Instituto de Ciências Biológicas. Sob as perspectivas da literatura e da genética, eles abordaram o tema Quem somos nós, os brasileiros? O registro em vídeo da primeira edição foi publicado quarta-feira, 12, no canal da TV UFMG na internet e no site da Pró-reitoria de Pesquisa (PRPq) da Universidade.

    Para a reitora Sandra Goulart Almeida, é preciso que a Universidade faça um esforço para levar ao conhecimento do grande público os projetos, as discussões e os resultados de pesquisas realizadas no ambiente acadêmico. “A ciência é parte de nossa vida, de nosso dia a dia. É importante que partilhemos com a sociedade o que se faz dentro do ambiente acadêmico”. 

    A dirigente também reiterou a importância da ciência para o desenvolvimento do Brasil. “É por meio da ciência, por meio do desenvolvimento tecnológico, que conseguiremos promover, com igualdade, o crescimento econômico de nosso país. E, no Brasil, 95% das pesquisas são realizadas por instituições públicas de ensino superior, como a UFMG”, esclareceu ela durante a abertura do evento. 

    Confira o evento e a participação do professor Sérgio Pena no vídeo abaixo:

    https://www.youtube.com/watch?v=2hvq3OyABm0

    (Notícia e Imagem adaptadas da Central de Notícias UFMG)

  4. Professor do ICB coordena o recém-inaugurado Centro de Estudos Norte-americanos

    aristoteles

    Inaugurado no último dia 10 de junho, o Centro de Estudos Norte-americanos (Cena) vai contemplar as relações da UFMG com os EUA e o Canadá. O coordenador do Cena é o professor Aristóteles Góes Neto (foto), do departamento de Microbiologia do Instituto de Ciências Biológicas (ICB) da UFMG.  

    Segundo ele, os Estados Unidos são o principal país parceiro da UFMG, tanto em volume de intercâmbios e pesquisas conjuntas quanto em aporte de recursos destinados por agências de fomento. O Canadá é outro país que também tem uma enorme importância estratégica para a internacionalização da pesquisa no Brasil e, em especial, na UFMG.

    Ao lado do coordenador estavam, participaram da solenidade de inauguração do Cena a reitora Sandra Regina Goulart Almeida; o embaixador Benoni Belli; o comissário de comércio do Consulado do Canadá, Franz Brandenberger; o conselheiro para Assuntos de Cultura, Educação e Imprensa da Embaixada dos EUA no Brasil, Erik Holm-Olsen e a cônsul dos Estados Unidos em Belo Horizonte, Rita Rico.

    O objetivo do novo Centro, portanto, “é funcionar como catalisador, fomentando ainda mais oportunidades e ampliando o relacionamento com universidades, empresas e ONGs desses dois países”, diz o coordenador. O Cena também deverá contemplar todos os campos do conhecimento. Suas linhas de trabalho serão definidas por comitê composto de professores da UFMG de diversas áreas, como artes, medicina, veterinária e direito.

    No contexto da busca pela internacionalização e intercâmbio, indicadores de excelência e promotores de ainda maior avanço das pesquisas e parcerias da UFMG com outros países, o Centro de Estudos Norte-americanos se junta a outros cinco vinculados à Diretoria de Relações Internacionais (DRI), dedicados às relações com a África, América Latina, Ásia Oriental, Europa e Índia. O México, país que também compõe a América do Norte, integra as atividades do Centro de Estudos Latino-Americanos (CELA).

     

    (Com Agência de Notícias da UFMG)

  5. Empreendedorismo: Mulheres na Ciência e Inovação está com inscrições abertas até dia 30

    wis mda solasO British Council e o Museu do Amanhã abriram inscrições gratuitas para as 35 vagas do programa de formação Mulheres na Ciência e Inovação, voltado para pesquisadoras que desejem inovar e empreender em áreas STEM (Ciência, Tecnologia, Engenharias e Matemática). O programa, que visa fortalecer a liderança feminina na inovação de base científica e tecnológica, consiste em um curso de uma semana (26 a 31 de agosto de 2019), em tempo integral, no Museu do Amanhã, no Rio de Janeiro.

    INSCRIÇÕES: Clique aqui.

    A formação prevê o ensino de “noções de estruturação de modelo de negócios, branding, direito intelectual, as quais são características necessárias para as empreendedoras, dentre outros”, explica post publicado na página web da British Council. As candidatas precisam no mínimo cursar a graduação, desenvolver alguma inovação de base científica e/ou tecnológica e desejar empreender. Duas participantes serão selecionadas para estágio de dez dias no Reino Unido em instituições ou empresas relacionadas ao objeto da inovação.

    PARA SE INSCREVER
    A pesquisadora deve preencher seus dados pessoais, descrever seu projeto e a solução proposta de forma sucinta, em até 15 palavras. Além de informações sobre o estágio de desenvolvimento da iniciativa (ideia, projeto ou empresa), e sua área principal ("Ciências Biológicas e/ou ciências da vida" é a primeira opção), é preciso também contar um pouco da relação da concorrente à vaga com a pesquisa científica, a inovação e o empreendedorismo.

    SERVIÇO
    Inscrição: 31 de maio a 30 de junho de 2019
    Anúncio das selecionadas: a partir de 29 de julho de 2019
    Realização do curso: 26 a 31 de agosto de 2019
    Realização das study missions: fevereiro de 2020
    Inscrições: Clique aqui.

     

    DÚVIDAS
    mulheresnaciencia [AT] idg [DOT] org [DOT] br

     

Facebook Twitter YouTube Flickr SoundCloud

Newsletter

Pesquisar

Topo