Menu

Noticias do ICB

teste

Portal do Instituto de Ciências Biológicas - ICB Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG
  1. Pesquisadores da UFMG preparam-se para iniciar estudos em nova estação na Antártica

    Base UFMG

    Dois projetos coordenados por professores do ICB serão desenvolvidos na base de Comandante Ferraz

    Oito anos após o incêndio que destruiu aproximadamente 90% da Estação Comandante Ferraz, será inaugurada a nova base brasileira, uma das mais sustentáveis do continente. A infraestrutura da nova casa do Brasil na Antártica ajudará os pesquisadores a vencer os desafios da região.

    A UFMG marcará presença na nova estação com dois projetos: o Mycoantar, coordenado apelo professor Luiz Henrique Rosa, do Departamento de Microbiologia do ICB, que estuda os fungos encontrados nos diversos substratos da Antártica, a fim de descobrir novas substâncias com potencial biotecnológico, e o Mediantar, coordenado pela professora Rosa Arantes, do Departamento de Patologia, também do ICB, que estuda a saúde dos brasileiros na Antártica com base nas perspectivas da medicina e antropologia. Seu objetivo é entender as mudanças fisiológicas e comportamentais causadas pelas condições extremas.

    Além da pesquisa que coordena, o professor Luiz Rosa foi convidado pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) e pela Marinha do Brasil para colaborar com a montagem e instalação dos equipamentos da nova estação.

    Assista à reportagem da TV UFMG sobre a presença da Universidade na Antártica:

    https://www.youtube.com/watch?v=PMNRrpKjGWk&feature=emb_logo

    O Laboratório de Estudos Antárticos de Ciências Humanas (Leach), sediado há 10 anos na UFMG, também participava das pesquisas brasileiras no continente. O projeto é responsável pela estruturação de um dos maiores acervos arqueológicos antárticos do mundo no que diz respeito ao início da ocupação humana na região. No entanto, o Leach deixou de fazer parte do Programa Antártico Brasileiro em razão do cortes de verbas.

    Equipe: Artur Horta; Jéssica Januário (produção); Artur Horta (reportagem); Antônio Soares (imagens);
    Otávio Zonatto (edição de imagens); Luciana Julião (edição de conteúdo).

  2. Morre o professor Giovanni Gazzineli, emérito da UFMG

    Gazzinelli 261x300Morreu nesta terça-feira, dia 14, aos 92 anos, em Belo Horizonte, o professor Giovanni Gazzinelli, emérito da UFMG e aposentado do Departamento de Bioquímica e Imunologia do ICB. Seu corpo foi velado nesta quarta-feira, 15, no Bosque da Esperança (Rua Aldemiro Fernandes Tôrres, 1500, bairro Jaqueline), das 8h30 às 13h. O sepultamento ocorreu em seguida.

    Nascido em Araçuaí, no Vale do Jequitinhonha, em setembro de 1927, Gazzinelli formou-se em Medicina pela UFMG em 1955. Ainda na graduação, ele interessou-se pela área de bioquímica e ingressou no laboratório do professor Baeta Viana, onde atuou como estagiário e bolsista até 1959, quando obteve bolsa da Fundação Rockefeller para estudar nos Estados Unidos. Lá, ele estagiou no Departamento de Bioquímica da Universidade de Utah, trabalhando em projetos de pesquisas relacionados com biossíntese de proteínas.

    Em 1962, regressou ao Brasil contratado como auxiliar de ensino no Departamento de Bioquímica na Faculdade de Medicina. Mais tarde, com a criação do ICB, transferiu-se para o Departamento de Bioquímica do Instituto. Em 1976, foi promovido, por concurso, a professor titular. Giovanni Gazzinelli aposentou-se na UFMG em 1980 e deu continuidade à sua carreira na Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), em Belo Horizonte, onde estruturou um laboratório especializado no estudo da imunologia celular e molecular de doenças parasitárias.

    Influência familiar
    Seu sobrinho Ricardo Gazzinelli, também professor da UFMG e pesquisador da Fiocruz, foi orientado no doutorado pelo professor Giovanni. “Ele foi uma pessoa muito importante na formação de novos cientistas” afirma Ricardo, que acredita que essa influência também se deu no plano familiar, já que dois dos irmãos mais novos de Giovanni também seguiram carreira científica: Ramayana Gazzineli, professor do ICEx e referência na área de Física, e Paulo Gazzinelli, que foi o primeiro diretor da Fapemig.

    De acordo com Ricardo Gazzinelli, o tio foi um pesquisador muito produtivo. "Seu primeiro paper foi publicado em 1961, na Nature, que é hoje o periódico científico de maior visibilidade e impacto no mundo”, relata.

    Giovanni Gazzinelli era membro titular da Academia Brasileira de Ciências (ABC) e foi agraciado com a Ordem Nacional do Mérito Científico, da Presidência da República. Ele foi casado com Edméa de Carvalho Gazzinelli com quem teve quatro filhos: Sérgio, Iara, Andréa e Maria Flávia. Andréa e Maria Flávia Gazzinelli são professoras da Escola de Enfermagem.

    Com informações da Academia Brasileira de Ciências

  3. Colônia de Férias no ICB vai encher laboratório de crianças e jovens Cientista Jr. para estudantes dos ensinos fundamental e médio

    colonia.de.ferias.cientista.JrAté 15 de janeiro de 2020 será possível inscrever crianças e adolescentes no Cientista Júnior 2020, programa de divulgação científica que tem o objetivo de facilitar a iniciação de estudantes dos ensinos fundamental e médio em atividades práticas de biologia.

    O tema deste ano é "Saúde, Ciência, Surpresa: conhecendo as bases do funcionamento do corpo humano". As atividades serão realizadas de 27 a 29 de janeiro, na Sala K4-257, 4º andar, do Instituto de Ciências Biológicas (ICB) da UFMG, no campus Pampulha.

    A colônia de férias é dirigida a pessoas interessadas em biologia e em engenharia genética.

    Manhã - Circuito Teen será destinado a jovens com idade entre 9 e 12 anos (ensino fundamental), e acontecerá das 8h às 12h.

    Tarde - Circuito Geek - dirigido a adolescentes de 14 a 16 anos de idade (ensino médio), e acontecerá das 14h às 18h.

    A carga horária é de 12 horas/aula. São ofertadas 30 vagas para cada nível de ensino.

    Confira a programação das oficinas (AQUI), que conta com atividades sobre extração de DNA (ácido desoxirribonucleico), microrganismos do bem e do mal, energia elétrica, energia térmica, biologia sintética e sistemas do corpo humano.

    A Colônia de Férias Cientista Jr. 2020 é realizada por meio de uma parceria entre a agência de produção digital Idea Real, a escola de ciência e formação cidadã Science School UFMG) e o projeto de extensão Interagir UFMG, com o apoio da empresa júnior do curso de Ciências Biológicas da UFMG Hippocampus.

    INSCRIÇÕES:

    Até 15 de janeiro, pela página da Fundep (Clique aqui para se inscrever)

    MAIS INFORMAÇÕES:

    (31) 3409 2509 e ideareal [DOT] biolab [AT] gmail [DOT] com.

    SERVIÇO

    Colônia de Férias Cientista Jr. 2020
    Data: 27 a 29 de janeiro
    Horário: 8h às 12h (Circuito Teen – ensino fundamental) / 14h às 18h (Circuito Geek – ensino médio)
    Local: Sala K4-257, 4º andar, do Instituto de Ciências Biológicas (ICB) da UFMG, campus Pampulha (Av. Antônio Carlos, 6.667, Pampulha, Belo Horizonte)
    Inscrições: até 15 de janeiro pelo site da Extensão Universitária

  4. Curso de Verão sobre Engenharia de Máquinas Biológicas recebe inscrições

    foto oficialEstudantes de graduação de todas as áreas e outros interessados em manipulação de moléculas biológicas já podem se inscrever para o 5º Curso de Verão de Engenharia de Máquinas Biológicas, oferecido pela equipe IGEM UFMG_Brazil de Biologia Sintética, com apoio do Idea Real, laboratório aberto do Instituto de Ciências Biológicas da UFMG. O objetivo é incentivar a adesão de novos integrantes aos estudos da Biologia Sintética e à descoberta do potencial dessa área, ainda nova, na geração de novos conhecimentos, produtos e arte.

    turma do curso 2018Os participantes vão descobrir como é possível utilizar partes padronizadas de DNA para criar novos genes, como conectá-los em "circuitos biológicos" e como inseri-los em organismos vivos com o intuito de transformá-los em "máquinas" geneticamente modificadas. Também, vão se inteirar sobre o Movimento Maker e conhecer a competição iGEM, realizada anualmente pelo Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), em Boston, nos Estados Unidos, na qual o grupo da UFMG tem participado e se destacado nas últimas edições.

    A Biologia Sintética é a área que tem como objetivo criar novas funções ou sistemas biológicos sob a ótica da engenharia. Pioneira da Biologia Sintética no Brasil, a professora Liza Felicori, da equipe de coordenação, chama a atenção para a importância do desenho e da simulação dos processos estudados, antes dos mesmos serem construídos. "As possibilidades de uso da Biologia Sintética parecem ser tão amplas quanto a imaginação do ser humano", afirma.

    Para a professora Rafaela Salgado Ferreira, do departamento de Bioquímica e Imunologia do Instituto de Ciências Biológicas da UFMG, que também integra a coordenação do curso, "graças aos avanços do conhecimento e da tecnologia na área da genética, a biologia moderna é capaz de alterar o código genético de alguns organismos para que eles passem a executar alguma função complexa diferente da que já fazia", salienta.

    O CURSO

    Realizado entre 10 e 14 de fevereiro de 2019, o curso terá conteúdos teóricos e práticos. Pela manhã, das 9h às 12h, diariamente será ministrado o módulo teórico. Os conhecimentos práticos serão dados nos quatro dias, das 13h às 17h.

    No curso, o estudante terá noções de empreendedorismo e liderança que vão permitir o desenvolvimento de um projeto ao longo da semana. Na parte de Introdução à Biologia Sintética os estudantes terão contanto com as técnicas básicas necessárias para a manipulação de DNA e criação de Organismos Geneticamente Modificados, como técnicas de edição gênica como CRISPR-Cas9 na prática!

    Os alunos também terão contato com o movimento Maker e DIYbio além de Bioarte. Ainda, serão abordados métodos computacionais para a simulação de problemas biológicos complexos, por meio de grafos, redes metabólicas e de sistemas de equações diferenciais. Nesta parte, o metabolismo de bactérias será modelado e otimizado.

     

    INSCRIÇÕES

    No site da Fundep

     

    MAIS INFORMAÇÕES

    Site do V CVEMB No site do V CVEMB

    Curso Verão: curso [DOT] verao [DOT] emb [AT] gmail [DOT] com

    Facebook do iGEM

    Equipe iGEM_UFMG: igem [DOT] ufmg [DOT] brazil [AT] gmail [DOT] com

     

     

    NOTÍCIAS RELACIONADAS

    Novo laboratório biohacker da UFMG já vai encerrar inscrições para curso de biologia sintética aberto à população (Fev. 2019)

    Biologia sintética faz vaquinha e palestras para interessados em inovação e genética (2015)

     

     

     

     

    CONTATO PARA ENTREVISTAS

    Profa. Liza Fericolli - (31) 3409 2981 / 3409 2624 - lizaffelicori [AT] gmail [DOT] com

    Profa. Rafaela Salgado Ferreira - (31) 3409 3031 / 3409 2624 - <rafaelasf [AT] gmail [DOT] com>

  5. Congregação aprova nova marca do ICB que substitui o selo dos 50 anos

    Nova Marca do ICBUma nova marca do Instituto de Ciências Biológicas da UFMG foi aprovada pela Congregação, órgão máximo de deliberação da Instituição, em reunião realizada na última quarta-feira, 11 de dezembro de 2019. O selo dos 50 anos, criado exclusivamente para as comemorações da marca histórica, deixa, portanto, de ser uma marca oficial e não deve mais ser usado. Este ano, em 11 de novembro, o ICB completou 51 anos.

    Imagem do predioConsiderando que as principais funções de uma marca são inspirar confiança, dinamismo, reconhecimento e admiração, o designer e estudante de biologia Anderson Rodrigues, bolsista da Assessoria de Comunicação Social e Divulgação Científica (ACBio) do Instituto, se baseou na observação da estrutura arquitetônica do teto do Instituto, visto de cima, e da representatividade dessa referência visual para a comunidade local e numa alusão à forma como podemos ser vistos a distância.

    Segundo ele, o edifício demonstra o aspecto integrativo dos diferentes departamentos. “A alusão ao campo das ciências biológicas se dá por meio da representação dos corredores pelo formato de folha, a aparente conectividade entre elas e pelo processo de construção que se pode observar em algumas partes”, afirma.

    “A ideia, com isso, é dar mais visibilidade às peças do ICB e com isso fortalecer ainda mais a imagem que a Sociedade possa ter a respeito da grandiosidade desse que continua sendo um dos maiores Institutos de Ensino, Pesquisa e Extensão da América Latina, mas que ainda é pouco reconhecido pelo público”, esclarece Marcus Vinicius dos Santos, jornalista e coordenador da Comunicação do ICB.

    A nova identidade visual não exclui o uso do brasão do ICB, que deve ser aplicado em documentos oficiais e solenes, e a marca em materiais de divulgação e em documentos menos solenes. Embora ela pretenda denotar o processo de transformações que envolvem o Instituto, também há uma preocupação por respeitar a trajetória histórica da instituição e a oficialidade do brasão.

    Para que a comunidade possa ver como se dará a aplicação dessa marca em peças físicas reais, Anderson está concluindo a produção do Manual de Uso da Marca, que será enviado por email para todos os setores e também publicado no Portal ICB. No documento estão sendo incluídos exemplos de como usar e de como não aplicar o símbolo em todas as peças de identificação e de divulgação das diferentes iniciativas sediadas no Instituto, a partir de agora, mesmo em iniciativas multiunidades.

    E para aumentar esse fortalecimento da marca foi prevista forma de assinatura dos vários setores ao lado do novo símbolo. Setores administrativos e outros relacionados à administração devem adotar essa nova forma. Departamentos e Programas de pós que já usam marcas próprias também podem fazer opção por seu uso.

    ALGUNS CUIDADOS

    Foram desenvolvidas duas versões, uma horizontal e outra mais "circular", com o objetivo de viabilizar o uso da marca em diferentes peças. A principal está na posição horizontal e a outra versão, secundária, deve ser utilizada apenas quando a versão horizontal não for possível de ser aplicada. A marca deve ser usada sempre em posição de destaque na peça, para denotar que o evento divulgado integra o Instituto de Ciências Biológicas da UFMG.

    As versões em uma cor devem ser aplicadas apenas em peças impressas em preto e branco. Quando necessário, a identidade visual poderá ser usada em versões negativa e positiva.

    Deve-se evitar o uso incorreto da marca, como efeitos e distorções da imagem original. A marca deve ser aplicada sem contrastes com o fundo ou em rodapé de apoio, realização e afins.

Pesquisar

Facebook Twitter YouTube Flickr SoundCloud

Topo