Menu

 Atualizada em 7/5/2019 - 10h10

 Foto Manoel Carlos Afonso Ganhador do Está no DNA 2019O moldureiro Manoel Carlos Afonso é o grande vencedor do concurso “Está no DNA”, realizado pelo Instituto de Ciências Biológicas da UFMG (ICB). A entrega do prêmio de R$500,00, oferecido pela Fundação Danilo Pena, e o diploma de premiação, serão entregues durante uma breve solenidade que acontece na próxima quarta-feira, dia 8 de maio de 2019, na sala da Congregação do ICB (Bloco F1, perto da Portaria 1).

Receberam menção honrosa, no mesmo concurso, as obras “Teste de DNA”, “A história que o DNA conta” e “Plural de mim, Uno de nós”. Ao todo foram inscritos 26 trabalhos.

Afonso conta que a inspiração para a pintura acrílica sobre tela “DNA -As sombras de Deus”, veio de uma reportagem sobre pinturas rupestres: “Descobri que as pinturas rupestres eram feitas com sangue. Isso me fez pensar que, desde o princípio, o homem utilizava seu DNA sem saber”, afirma. Em sua obra ele representa a passagem do tempo para a humanidade, desde a pré-história até os tempos atuais e o futuro, mostrando o DNA como um elo da história do ser humano. “Cada vez mais importante e pesquisado”, afirma, agradecendo à filha do patrão, que estuda na escola de artes Guignard, por ter lhe avisado do concurso.

Aberto à participação de todos os interessados, o concurso “Está no DNA” integra as atividades de comemoração do Dia Mundial da Descoberta da Dupla Hélice de DNA, 25 de abril, incentiva a representação criativa da molécula que traz toda a informação genética dos seres vivos como forma de provocar a reflexão sobre o tema e promover a busca por mais informação sobre essa importante descoberta.

 

 Texto atualizado em 7/5/2019 - 10h10

 

 

Conheça as obras

DSC 4243Manoel Carlos Afonso

Título da obra: DNA as sombras de deus

Pintura acrílico sobre tela (52x38)

 

 

 

DSC 4212 CopiaFlávia Alvarenga Estevan

Título: Teste de DNA

Foto colagem que traz uma representação da molécula de DNA que remete não apenas a seu aspecto gráfico, mas também à parte de seu conteúdo genético.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

DSC 4201 Copia Pamella Damásio.

Título: A História que o DNA conta.

Um expositor contendo uma maquete representativa da molécula de DNA, visando estabelecer uma relação de ideias que ligam o DNA ao contexto social de pertencimento e identidade

 

 

 

 

DSC 4299 Copia Copia

 Liz Costa

Título: Plural de mim. Uno de nós.

O DNA é entendido como carreador da ancestralidade: eu só existo, porque outras e outros existiram. Por isso mesmo, o DNA advém dos encontros, dos afetos. Existir é a confirmação de que um dia nossos ascendentes se encontraram e se deixaram afetar. Os fios de cabelo entrelaçados, e o tricotim que os sustentam, revelam num só lance como a coletividade é fundamental para possibilitar a própria existência.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Mais imagens sobre esta e outras obras do concurso podem ser encontradas no Facebook do ICB.

Notícias relacionadas

Estão abertas as inscrições para concurso de melhor representação criativa do DNA

Assista ao vídeo produzido pela TV UFMG

Veja como foi o ano passado

"O Som do DNA" é escolhido como representação molecular mais criativa em exposição do ICB

 

Pesquisar

Facebook Twitter YouTube Flickr SoundCloud

Topo