Menu

NMS 2164

A Congregação do Instituto de Ciências Biológicas da UFMG, órgão máximo deliberativo do ICB, publicou uma moção de repúdio às atuais políticas de corte de financiamento das principais agências de fomento de Minas Gerais (FAPEMIG) e do Brasil (CNP, CAPES e FINEP).

Segundo o documento chama a atenção, o Instituto tem cerca de 1400 estudantes de pós-graduação, dos quais vários não terão condições de dar continuidade à sua formação e terão de abandonar os trabalhos de pesquisa.

A isso os membros da Congregação classificam como "um grande retrocesso e descontinuidade do que já foi alcançado até agora", lembrando os investimentos feitos e o patrimônio adquirido com dinheiro público, além das questões relacionadas ao processo de produção do conhecimento que leva tempo e poderá ser perdido.

A Unidade acadêmica da UFMG com o maior número de artigos científicos publicados e o maior número de pedidos de patentes depositadas, corre o risco de não poder continuar entregando a mesma excelência à sociedade. Além disso, trata-se também de enorme problema social, dado o impacto dessa descontinuidade sobre a vida das pessoas, produtivas e envolvidas no avanço do conhecimento da sociedade brasileira.

Declara ainda a Congregação do ICB, contar com o apoio de toda a sociedade para tentar reverter imediatamente a recomposição dos orçamentos das agências financiadoras de pesquisa e de pós-graduação brasileiras.

 #UFMGéSua

 

Leia aqui a íntegra da Moção da Congregação do ICB UFMG  (13/9/2019)

Pesquisar

Facebook Twitter YouTube Flickr SoundCloud

Topo