Menu

campos rupestres notícia capaO mais influente artigo científico da área de botânica de todos os publicados pela editora Springer é “Ecologia e evolução da diversidade de plantas no campo rupestre em risco de extinção: uma prioridade de conservação negligenciada”, escrito por professores do Departamento de Botânica e de Biologia Geral do Instituto de Ciências Biológicas da UFMG - em parceria com pesquisadores estrangeiros e de outras partes do Brasil. A classificação ocorreu no inicio de julho de 2018, dentre os 10 artigos mais influentes da editora publicados em 2016 (Veja lista completa em https://goo.gl/dZXjY4).

Para o professor Fernando Silveira, um dos autores, a grande importância de seu trabalho se dá pelo fato de que ainda são poucos os cientistas familiarizados com os campos rupestres. “Este é um ecossistema de montanha, que ocorre nas partes mais elevadas da Cadeia do Espinhaço, no centro e no leste do Brasil, extremamente antigo, que ao mesmo tempo se constitui como museu de antigas linhagens e berço de diversificação contínua de linhagens endêmicas”, esclarece.

campos rupestres notícia 2Fotos: Fernando Augusto / Arquivo PessoalA partir de levantamento bibliográfico, foi possível comparar os dados brasileiros com o de vegetações similares existentes na chamada região florística do sudoeste da Austrália e da região do Cabo, da África do Sul. “Como os estudos no exterior estão mais avançados, podemos aprender com eles melhores formas de conservar e restaurar o nosso campo rupestre”, afirma Silveira.

Uma das principais conclusões do artigo é que as crescentes ameaças ao campo rupestre - devido principalmente ao extrativismo mineral e à especulação imobiliária -, estão comprometendo os serviços ecossistêmicos, ou seja, os benefícios que se pode obter da natureza. Um exemplo disso é o fato de que muitas áreas de campo rupestre são locais de recarga de água. “Em tempos de crise hídrica, conservar o campo rupestre é a estratégia ecológica e economicamente mais interessante e viável”, defende o pesquisador.

No artigo também ficou demonstrado que o campo rupestre é diferente do cerrado brasileiro e sua vegetação é mais parecida com a de outros locais do planeta. Para isso os pesquisadores usaram uma teoria que tenta explicar a evolução ecológica e guia as melhores práticas de conservação para a biota em paisagens inférteis e climaticamente protegidas.

A diversidade de algumas linhagens de plantas do campo rupestre, nas terras mais altas, é anterior à diversificação ocorrida no cerrado, nas terras baixas. “Isso sugere que a vegetação desse bioma pode ser a mais antiga do leste da América do Sul”, destaca o professor, que também integra o Programa de Pós-graduação em Botânica e Ecologia, Conservação e Manejo da Vida Silvestre.

ECOSSISTEMA PRIMORDIAL

campos rupestres notícia 1Fotos: Fernando Augusto / Arquivo PessoalCampo rupestre é um bioma tropical que compreende mais de 5000 espécies de plantas, quase 15% da diversidade de plantas do Brasil, em área correspondente a 0,78% do território nacional. “O mais grave é que 40% dessas plantas não ocorrem em nenhum outro lugar do mundo. Isto significa que, apenas de espécies exclusivas, esse ecossistema tem mais tipos de plantas do que toda a Europa ocidental. E em uma área um pouco maior do que a Holanda”, destaca Fernando Silveira.

Em Minas Gerais este bioma é ainda palco de algumas das principais atrações turísticas locais, incluindo cidades históricas como Ouro Preto, Tiradentes, São João Del Rey e Diamantina, e paraísos naturais como as serras do Cipó, da Canastra e do Caraça.

“Muita gente pensa que a Amazônia é a área mais biodiversa no planeta. Mas, se ponderamos a biodiversidade por unidade de área, a Serra do Espinhaço talvez seja a área mais biodiversa em todo planeta”, afirma o professor. Porém, a importância dos campos rupestres não se resume apenas a aspectos da biodiversidade.

A Serra do Espinhaço também possui importância histórica e econômica – devido à retirada de ouro e diamantes no período colonial, e, atualmente, de ferro. “Portanto, é justo dizer que a vegetação de campo rupestre detém um patrimônio geológico, biológico, cultural e econômico. Mas, todo este patrimônio continua fortemente ameaçado por diversas atividades, principalmente relacionadas à mineração”, alerta.

 

LEIA O ARTIGO

Ecology and evolution of plant diversity in the endangered campo rupestre: a neglected conservation priority

 

CONTATOS PARA A IMPRENSA:

Prof. Fernando Augusto de Oliveira e Silveira - Departamento de Botânica do Instituto de Ciências Biológicas da UFMG - (31) 3409 2689 -       

  

MAIS INFORMAÇÕES PARA A IMPRENSA

Instituto de Ciências Biológicas da Universidade Federal de Minas Gerais
Assessoria de Comunicação Social e Divulgação Científica
Jornalista responsável: Marcus Vinicius dos Santos
| www.icb.ufmg.br | (31) 3409 3011 |
Av. Presidente Antônio Carlos, 6627. Pampulha. Sala 173. Bloco J1.
CEP 31.270-901. Belo Horizonte. MG. Brasil.

 

 

Facebook Twitter YouTube Flickr SoundCloud

Newsletter

Pesquisar

Topo