Menu


Até sexta, dia 16 de fevereiro, será possível se inscrever para conhecer os mistérios de se construir “máquinas” genéticas

Curso de Verão

 

As inscrições para o 4° Curso de Verão de Engenharia de Máquinas Biológicas, estão abertas até o dia 16 de fevereiro, no site da Fundep (Fundação de Desenvolvimento e Pesquisa).

O curso, de Biologia Sintética, é realizado pelo iGEM - UFMG (International Genetically Engineered Machine) e a OPEI (Oficina de Projetos, Empreendedorismo e Inovação) e oferece aulas teóricas e práticas, realizadas entre 26 de fevereiro e 2 de março, no “Laboratório Aberto do ICB”, no campus Pampulha da UFMG, em Belo Horizonte. A Biologia sintética busca reprogramar seres vivos.

CINCO ANOS

Segundo Liza Figueiredo Felicori, professora do Departamento de Bioquímica e Imunologia, que coordena o curso e o Laboratório Aberto do ICB (LA), a ideia de um curso de Biologia Sintética surgiu mais ou menos junto com a do Laboratório.

A criação de um espaço na Universidade para que projetos que não estivessem ligados a nenhum laboratório pudessem ter as instalações adequadas para ser desenvolvidos levou à ideia desse mesmo local poder ser usado tanto também por alunos da UFMG quanto pela comunidade externa.

A iniciativa vem desde 2013, quando uma equipe de alunos pediu a ela um local para realizarem seus estudos para a Com­pe­ti­ção In­ter­na­ci­o­nal de En­ge­nha­ria de Má­qui­nas Bi­o­ló­gi­cas (iGEM), pro­mo­vi­da pe­lo Mas­sa­chu­set­ts Ins­ti­tu­te of Te­ch­no­lo­gy (MIT) em Bos­ton, nos Es­ta­dos Unidos. O resultado da equipe foi muito positivo; em todas as edições de que participou, oportunidades foram surgindo.

COMO PARTICIPAR

Durante o primeiro semestre de 2018, o cadastro para submissão de projetos e utilização do espaço será gratuito e ocorrerá através do e-mail .

O Laboratório pretende promover cursos de biologia sintética todo mês e um site está sendo finalizado, para aprimorar a comunicação com os interessados.

CULTURA BIOHACKER

 A prática do biohacker, que ganha cada vez mais adeptos no Brasil, surge com a ideia de democratizar a tecnologia e a informação científica, tornando a ciência e, neste caso, a biologia, acessível à sociedade, inclusive para quem não tem experiência ou formação na área. Simplificar o aprendizado científico é uma das intenções da cultura biohacker. “A gente é o primeiro laboratório de biohacker em Minas e praticamente o primeiro no Brasil. Na verdade, existem algumas iniciativas em São Paulo e Rio de Janeiro, mas laboratórios de biohacker voltados para a parte biológica ainda são muito novos no país”, diz Liza.

Ainda segunda a professora, o Laboratório Aberto influencia no aspecto educacional da Universidade, pois valoriza uma nova cultura didática na qual o aluno não apenas ouve o professor, mas que coloca em prática o que eles aprendem. E relacionado à ideia do biohacker, tudo ocorre de forma independente, com os professores atuando apenas como mentores. “E também tem o aspecto multidisciplinar, pois temos a conexão com a eletrônica, engenharia, administração econômica, entre outras áreas. E, principalmente, os benefícios socioculturais, pois o projeto abre as portas da Universidade para a população em geral, aproximando-a do saber e fazer científico”, comenta.

 

Laboratório Aberto ICB 2

O IdeaReal, Laboratório Aberto do ICB, abrirá suas portas dia 26 de fevereiro (Vitória Brunini/ACBio/UFMG)

 

CONTATOS PARA A IMPRENSA:

Liza Figueiredo: coordenadora do Laboratório Aberto do ICB

(31) 3409-2981/3409-2624 ou

 

MAIS INFORMAÇÕES PARA A IMPRENSA

Instituto de Ciências Biológicas da Universidade Federal de Minas Gerais

Assessoria de Comunicação Social e Divulgação Científica

Instituto de Ciências Biológicas da Universidade Federal de Minas Gerais

Redação: Vitória Brunini - estudante de Jornalismo na UFMG

Jornalista responsável: Marcus Vinicius dos Santos

Av. Presidente Antônio Carlos, 6627. Pampulha. Sala 173. Bloco J1.

CEP 31.270-901. Belo Horizonte. MG. Brasil

Facebook Twitter YouTube Flickr SoundCloud

Newsletter

Pesquisar

Topo