Efeitos da Poluição Sonora 
no Sono e na Saúde em Geral - Ênfase Urbana


Fernando Pimentel-Souza
Professor Titular de Neurofisiologia da UFMG
Membro Pleno do Instituto de Pesquisa sobre o Cérebro, UNESCO / PARIS
Engenheiro pelo ITA e MS Eletrônica ENSA-PARIS
C.P. 486 - Depto. de Fisiologia e Biofisica
ICB - UFMG - 30.161-970 - Belo Horizonte - MG / Fax:(031)499-2924
 

SUMMARY: Effects of Noise Pollution on the Sleep and on the Healthy Status - Urban Emphasis: Disturbs of sleep and health status in the urban citizen, direct or indirectly due to noise by means of stress or pertubation of the biologic rhythm, were reviewed in the scientific literature of the last twenty years. During vigil, noise up to 50 dB(A) (Leq) may cause disconfort, but one adapt to it. Over 55 dB(A) elicits slight stress, exciternent, bearing to initial stages of dependence and initializing lasting dísconfort. Up to 65 dB(A) organic degenerative stress initiates with biochemical unbalance, increasing the risk of infartation, stroke, infection, osteoporosis etc. Probably at 80 dB(A) biological morphines are already released, inducing satisfaction and completing the dependence panel. Near 100 dB(A) can have immediate loss of audition. On the other hand, the sleep up to 35 dB(A) becomes more superficial, at 75 dB(A) reaches loss of 70 % in the duration of the deepest stages, essential to recovering of the organism and the brain. Main factors of urban noise in Brazil, with some data of Belo Horizonte, were discussed and some measures to reduce it were suggested.

1) Resumo (Summary): Efeito da Poluição Sonora no sono e na saúde em geral: Distúrbios do sono e da saúde em geral no cidadão urbano, devidos direta ou indiretamente ao ruído, através do estresse ou pertubação do ritmo biológico, foram revistos na literatura científica dos últimos 20 anos. Em vígilia, o ruído de até 50 dB(A) (Leq) pode perturbar, mas é adaptável. A partir de 55 dB(A) provoca estresse leve, excitante, causando dependência e levando a durável desconforto. O estresse degradativo do organismo começa a cerca de 65 dB(A) com desequilíbrio bioquímico, aumentando o risco de infarte, derrame cerebral, infecções, osteoporose etc. Provavelmente a 80 dB(A) já libera morfinas biológicas no corpo, provocando prazer e completando o quadro de dependência. Em torno de 100 dB(A) pode haver perda imediata da audição. Por outro lado, o sono, a partir de 35 dB(A), vai ficando superficial, à 75 dB(A) atinge uma perda de 70 % dos estágios profundos, restauradores orgânícos e cerebrais. Principais fatores do ruído urbano no Brasil, com alguns dados de Belo Horizonte, foram discutidos e algumas medidas para reduzi-los foram sugeridas.

2) Efeitos sincronizadores e pertubadores do ruído e de outros fatores no sono

    A ciência tem desvendado nobres funções do sono como as psicológicas, as intelectuais, as da memória, as do humor e as da aprendizagem. O sono parece ser o período mais fecundo para consolidar os traços mnemônicos e geradores de criatividade. Prejuízos causados a êle diminuem a capacidade das funções superiores do cérebro, condenando suas vítimas a cidadãos de segunda classe (Jouvet, 1977; De Koninck et al, 1989; Pimentel-Souza, 1990). A sensibilidade de Scbopenhauer já o permitia antecipar de mais de um século as provas científicas de hoje ao afirmar: "O barulho é a tortura do homem de pensamento".

    Mostraram-se no sono ritmos circadianos e os ultradianos de seus estágios, dai a necessidade da regularidade através dos dias. Assim, o aumento do período de vigília tende a reduzir o período de sono no mesmo dia, para manter o ritmo circadiano, mas no período seguinte o sono tende a recuperar sua duração. Quanto ao sonho, há compensações da sua duração também, quando pára a sua privação (Cipolla-Neto et al, 1989; Pimentel-Souza, 1989). Quando se dorme menos do que sua média, ou poupando mediadores químicos do sonho no cérebro ao privá-lo, ocorre curiosa compensação por ficar fisicamente mais ativo durante o dia, mas reagindo menos intelectual e criativarnente, e vice-versa (Jouvet, 1977; Carlini, 1983; Santos e Carlini, 1983; Calfi, 1983). Estas variações podem ser confundidas com aspectos das personalidades individuais e até serem usadas na terapia de certo tipo de depressão, quando é acompanhada de hipersonia.

    O ruído é um dos sincronizadores ou pertubadores do ritmo do sono mais importantes. Distúrbios do ritmo do sono produzem sérios efeitos na saúde mental. Na síndrome de fusos horários das viagens internacionais, sob "jet lag effect", recomenda-se não tomar alguma decisão importante, até recuperar o humor e a capacidade mental ou não competir antes da readaptação fisiológica, que permita readquirir a plena forma fisica. Os operários de turnos e notumos geralmente possuem um sono de má qualidade no período diurno, devido aos conflitos sociais e excesso de ruído diurno, provocando aumento da sonolência no período de trabalho noturno, muitas vêzes incontroláveis e responsáveis pelo maior número de acidentes entre 3 e 5 horas da manhã (Cipolla-Neto, 1989; Fischer et al, 1989a e b). O contínuo atraso do sono pelos horários de trabalho e variações do ritmo das atividades sociais, facilitados pelo uso da luz elétrica e atrações noturnas, pode levar à constante insônia. É mais fácil atrasar a fase do sono que avançá-la, o que complica a regularização (Czeiler et al, 1981). Por outro lado, latências emcurtadas do sonho, do despertar, do pico de temperatura, do pico de cortisol, aparecem na depressão ou podem causá-la. No caso maníaco ou depressivo há respectivamente atraso ou avanço desses ritmos citados acima. Um efeito terapêutico do lítio, usado na estabilização da depressão, pode ser atribuido ao atraso de fases daqueles ritmos biológicos mencionados (Mouret, 1982; Cipolla-Neto, 1989; Reimão, 1990).'

    O sono de todos os indivíduos é sensível ao ruído, havendo perdas proporcionais às pertubações nas suas nobres funções. Vallet et al (1975a e b), Friedmann e Chapon et al (1972) encontraram, num raio de 2 km de auto-pistas e aeroportos, em pessoas há vários anos "adaptadas", uma redução média de 35 % na parte mais nobre do sono, os estágios profundos e paradoxal, quando o ruído médio aumentou de 43 a 55 dB(A) (Acústicos) no interior da residência, quando se atingia em torno de 77 dB(A) externos. Neste nível o EEG já mostrava pertubações em 52 % das pessoas, apesar de despertar a consciência só em 3 % e de mudar para estágio mais superficial em 17 %. Já o aumento de mais 20 dB(A) externos provocou 100% de pertubações no EEG. Terzano et al (1990) notaram que há uma queda linear no sono profundo na variação de 35 a 75 dB(A), chegando a 70 % de perda, usando ruído branco num laboratório de sono. Segundo as Associações Internacionais de Distúrbios de Sono (ASDA, 1990) cerca de 5 % das insônias são causadas por fatores externos ao organismo, principalmente pelo ruído, 10% são devidas a má higiene do sono, isto é, comportamento inadequado para o sono sobretudo nas duas horas que o procedem, e 15 % são resultantes de internalização no cérebro dos fatores pertubadores externos através do mecanismo de condicionamento aprendido involuntariamente. Um dos indicadores da má qualidade de vida ambiental nas nossas cidades no Brasil foi revelado por pesquisa de Braz (1988) na cidade de São Paulo, onde 14 % das pessoas atribuem suas insônias a fatores externos, das quais 9,5 % exclusivamente ao ruído. Além disso, o ruído deve ter uma importante contribuição indireta, através do estresse diurno e noturno, causando também má higiene do sono, cujos efeitos são traiçoeiramente desapercebidos das pessoas por não terem efeitos imediatos e não deixarem rastro visível, num mundo moderno predominantemente visual, cujas informações são estimadas em 90 % do nosso universo atual. Enfim, o ruído torna o sono mais leve, causando profundos danos fisiológico, psicológico e intelectual.

    O Centro de Estudos de Pertubações e de Energia (CERNE, 1979) na França reconheceu que o ruído de baixos niveis permite adaptação . Mas, após vários anos, os déficits no sono, sob níveis de até 55 dB(A) internos, são cumulativos, mudando a estrutura do sono como se fossem de pessoas envelhecidas precocemente. Pessoas de 35 anos, estudadas, estavam dormindo como se fossem de 55-60 anos não expostas a barulho. Enfim, dormir e desempenhar mal não é necessariamente causado pela idade.

3) Efeitos do ruído nas atividades de vigília

    Em qualquer horário o ruído elevado é pertubador. Um pulso de som de 90 dB de apenas 20s desenvolve 80s de constrição periférica nos vasos sanguíneos. Dr. Guilherme (1991), otorrinolaringologista da Escola Paulista de Medicina (EPM), estima em 30 % de perda da audição nos jovens que usam "walkmen", toca-fita ou toca-disco duas horas por dia a níveis próximos de 100 dB. Já outro especialista, Dr. Cataldo, Diretor da Escola de Fonoaudiologia Izabela Hendrix de Belo Horizonte, tem constatado surdez súbita e irreversível em pessoas que assistem concertos de rock a mais de 100 dB, por efeito de vaso-espasmos no ouvido interno.

    64 % das pessoas tinham queixas de ruído ou vibrações na França em 1976-1977 (CERNE, 1979), época em que Paris já obtinha valores pelos menos cerca de 10 dB(A) menores do que em Belo Horizonte de hoje, sobretudo no período noturno (Fallot e Stein, 1979). Esse percentual é da ordem dos encontrados pela maioria das reclamações atuais na Secretaria Municipal do Meio Ambiente (SMMA) em Belo Horizonte, onde o nível médio de ruído diurno foi 70 dB(A) em 1988 (Alvares, 1982; Alvares et al, 1988), e também previstas em pessoas submetidas a nível semelhante de ruído que relataram profundos incômodos (Schutz et al, 1976). Entretanto, a França depois disso tem adotado medidas rigorosas para combater o ruído, tornando seus veículos automotores mais silenciosos e outras, inclusive como resultado das pesquisas de um orgão, o CERNE, criado no Ministério de Transportes, e que dedica parte substancial de seu trabalho aos efeitos da poluição sonora.

    Cantrell (1974) mostrou que descargas sonoras de 85 sobre 70 dB de fundo, nos periodos diurnos em forma de pulsos durante somente 3 % do tempo, e só 50 dB de fundo no período noturno, desencadeararn, durante os 40 dias de experimento, um aumento do colesterol de 25 % e do cortisol plasmático de 68%. Os pacientes eram jovens saudáveis de 20 anos. Portanto, os menos susceptíveis aos efeitos nocivos. Alguns efeitos do hipercortisolismo são diminuição dos linfócitos, do tecido linfático e da antitrombina e alta de trombócitos. Pelas reações fisiológicas conhecidas, a Organização Mundial da Saúde considera então a 55 dB(A) (Leq) o início do estresse auditivo (WHO, 1980). O estresse em estágios iniciais pode até ser usado beneficamente na medida em que funciona como excitante ocasional (Tufik, 1991). Mas, quando se torna crônico, ele começa a degradar o corpo e o cérebro, conduzindo à exaustão rapidamente (Bonamin, 1990). Nos trabalhadores tem sido constatado nesses últimos casos: efeitos psicológicos, distúrbios neuro-vegetativos, náuseas, cefaléias, irritabilidade, instabilidade emocional, redução da líbido, ansiedade, nervosismo, perda de apetite, sonolência, insônia, aumento da prevalência de úlcera, hipertensão, distúrbios visuais, consumo de tranquilizantes, pertubações labirínticas, fadiga,redução da produtividade, aumentas do número de acidentes, de consultas médicas, do absenteísmo etc (OIT, 1980; WIIO, 1980; Quick e Lapertosa, 1983; Gomes, 1989).

    O excesso de colesterol líberado pelo ruído justifica resultados como os do recente Congresso na Alemanha em que populações, submetidas a níveis entre 65 e 70 dB(A), tiveram 10 % a mais de infarte e entre 70 e 80 dB(A), 20 % (Babisch, 1991). De fato, Jansen e Andriukin mostraram nas fábricas mais barulhentas da Alemanha maior incidência de hipertensão, de distúrbios, circulação periférica e de equilíbrio, agravando-se com a idade (Cantrell, 1974).

    A poluição sonora é a perturbação, que envolve maior número de incomodados, e diante dos danos dramáticos causados já ocupa a terceira prioridade entre as doenças ocupacionais, só ficando após das provocadas por agro-tóxicos e as osteo-articulares no Estado de São Paulo (Gomes, 1989). Infelizmente, este é mais um fator de risco da maioria das pessoas desse país, agravando doenças cárdio-vasculares e infecciosas, a recuperação dos enfermos em geral, e tornando mais fácil o adoecer dos sãos. O estresse crônico e distúrbios do sono, provocados pela poluição sonora, se realímentam mutuamente, aumentando a nocividade de ambos.

    -Até que ponto parte das 68 % das infecções hospitalares em BH em 1989, considerados irredutíveis devido à queda da resistência imunológica, segundo Grupo Técnico de Infecções Hospitalares da Secretaria de Estado de Saúde de MG, podem ser atribuidos à poluição sonora ? Há maior susceptibilidade a gripes e dores de garganta sob estresse psicológico (Cohen et al, 1991). Mas há casas dramáticos, que nem podem mais esperar. Dentro de um Centro de Tratamento Intensivo (CTI) com janelas fechadas de um famoso hospital, verifiquei em dezembro de 1990, um nível de ruído de 60 dB(A) ás 17 h pouco antes do máximo de poluição sonora. Até as médicos residentes do turno se queixavam. Esta é a condição de muitos CTIS da capital. Haveria necessidade de baixar pelo menos 20 dB(A) para se chegar próximo aos 40 dB(A) recomendadas. A mais eficiente solução seria reduzir as fontes sonoras de 120 vezes.

    -Mas, como ?

4) Análise dos fatores de ruído urbanos e algumas sugestões para evitá-lo

    Ao contrário, criar barulho aqui é muito fácil. Os nossas veículos automotores são a maior causa de poluição sonora. O Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA) deveria adotar urgentemente normas internacionais avançadas na produção automobilística para ganhar cerca de 12 dB(A) nos veículos novos. O Departamento de Trânsito-MG, assim como as seus sucessores e correspondentes nas outros estados, de maneira complementar, teriam um dia que mostrar sua competência em impecionar eficazmente as escapamentos dos veículos usados, sua fluidez e congestionamento no trânsito. Centrais de carga deveriam ser criadas na periferia das metrópoles. Na Cidade só circulariam carninhões leves e mais silenciosos.

    São também excessivamente ruidosas nossas aparelhas elétricas e mecânicas e não basta o "Selo de Ruído" do INMETRO. Alguns setores industriais e boêmias estão mal localizadas nas zonas residenciais. As atividades de algumas pessoas desconsiderar a questão, promovendo eventos ruidosos pela noite. Alguns pais de nossa geração , na opinião do psicólogo Gykovate, ainda estão perdidos nos complexos e tornaram-se libertários, deixando também seus filhos desorientados e ambos desrespeitosos dos direitos alheios. É comum achar subjacente uma rude ideia, de que teria o homem de adaptar-se às mudanças hostis do meio em nome do progresso. É uma ingenuidade, digna da famosa sátira de Voltaíre (1949), voltar a pensar em solução mágica, contra milhões de anos da evolução biológica,

    -Não seria outro o diagnóstico, senão a precária saúde do brasileiro, inclusive das classes mais abastadas ? Como conseqüência, as cidades mais barulhentas do mundo são Rio, São Paulo (Azevedo, 1982, 1990) e, numa projeção o hipercentro Belo Horizonte ficaria em quinto (Junqueira, 1990). Nessas cidades as medições de ruas e nas casas frequentemente ultrapassam 85 dB(A), levando provavelmente, a maioria de seus habitantes à níveis de estresse avançados.

    Ao nível de distúrbio de sono as consequências parecern comprovar a má qualidade ambiental sonora. Recente pesquisa epidemiológica de Braz (1988) da E.P.M. mostrou 51 % da população de São Paulo com persistente insônia e 74 % com pelo menos alguma perturbação no sono contra cerca de 33 % dos americanos.

    O Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT, 1988) de São Paulo atesta também os atrasos dos nossos urbanismo, construção civil e o ônus, muitas vezes excessivo, ou a impossibilidade de remanejar prédios e cidades para se defender do ruído. É uma das razões das países desenvolvidos terem desistido do crescimento das grandes cidades, fixando rígido controle de seus equipamentos e aumentado a fiscalização das atividades públicas e privadas. Gerges (1991) salientou que paredes paralelas de residências e prédios, muito comuns em nossas cidades, aprisiona-se o ruído e constituem verdadeiras caixas de ressonância. Silva (1991) recomenda pisos flutuantes nas prédios para evitar a propagação do som para outros andares devido a rigidez da estrutura. Não conseguimos ainda um plano diretor no Brasil, para ordenar o futuro crescimento urbano e arquitetônico, preventivo e eficaz na prática para não piorar o que já existe nas cidades e nas residências, cujos erros não se consertam facilmente.

    Apesar da crise econômica, para as empresários vale a pena investir contra a poluição sonora na sua empresa e na cidade, onde moram seus empregados e eles próprias. Seus quadros pouparão imediatamente desde energia fisica e mental, acidentes no trabalho e na cidade, desperdícios etc e poderão ganhar em produtividade, humor, criatividade, melhor relacionarnente etc, pois tudo começa no sono bem dormido e no conforto ambiental em todo espaço, onde vivem.

    A Câmara Municipal e a Prefeitura de BH já reconheceram parcialmente a necessidade de limitar o ruído através da Lei no. 4034/1985, regulamentada por decreto municipal no. 5893/88, que estabelece limites máximos para todas os períodos do dia e zonas da cidade (Alvares e Pimentel-Souza 1992), mas que ainda não são satisfatórios, por exemplo, a zona residencial segunda mais beneficiada, que congrega bairros nobres da zona sul, só tem teoricamente a garantia do conforto auditivo, o máximo de 50 dB(A), entre 22 às 7 h, no interior das residências, quando a ABNT recomenda o máximo de 45 dB(A) nas dormitórios de qualquer zona residencial. A situação torna-se grave porque, aqui ainda não se obteve a cooperação de muitos cidadãos na auto-disciplina, das indústrias na produção, dos comerciantes nas suas atividades, das autoridades na fiscalização, dos políticas e sindicalistas nas suas campanhas, etc.

    É indispensável a participação e conscientização da classe médica como vanguardeira na campanha para melhorar a qualidade da vida e do sono, através da redução da poluição sonora, sobretudo em nossas cidades, ajudando a denunciar os danos flsicos e cerebrais. É importante mostrar que a medicina científica, que somos capazes de praticar aqui, não é de melhor qualidade pelas deficiências, que transcendem em muito a esfera específica de atuação da categoria. O problema tomou-se também de Saúde Pública, por atingir a maioria da população brasileira, hoje 80 % concentrada nas cidades (Smith, 1983; Gomes, 1989, Pimentel-Souza, 1990), e possuir o direito até constitucional de tranquilidade para usufruir uma vida orgânicamente saudável, intelectualmente fecunda e emocionalmente equilibrada. A questão pode também ser assumida pessoalmente por cada um que tenha vontade de se tornar um cidadão de fato.

    A sociedade civil poderia participar da campanha educativa. As emisaoras de TV e rádio dariam flashes a partir das 22 horas, solicitando para reduzirem os sons nas suas residências e a elas competia também não aumentar o som dos "bips" e comerciais e passar seus melhores programas mais cedo, como se faz no Japão e Suécia. As entidades patronais poderiam apoiar melhor a organização da vida urbana dos cidadãos, por exemplo, ajundando a limitar o horário dos estabelecimentos e ônibus urbanos para que a maioria dos cidadãos trabalhadores não percam segurança, pontualidade, produtividade e criatividade no dia seguinte. Nas grandes cídades organizadas dos países civilizados há uma noção de limíte. " O homem é um ser essencialmente diurno ", diz Ferreira (1989). Em Paris, o metrô, a condução mais importante, praticamente deixa de circular à meia noite e os trabalhadores e funcionários encerram antes o trabalho, mesmo nas bairros mais boêmios.

    O estudo epidemiológico do sono na cidade de São Paulo, assim como as medições de poluição sonora amostradas nas metrópoles brasileiras, principalmente nos pontos mais críticos, podem servir de base para construir hipóteses científicas de que os dois problemas já atingem proporções de saúde pública, ao envolver a maioria da população urbana. Além dos próprios leitores, são suas famílias e amigas, majoritariamente desapercebidos, que estão degradando e adoecendo. São os brasileiros que não terão condição de modernizar, mesmo se atingirem outras condições básicas de saúde e educação, pois a aprendizagem, criatividade e competitividade estão profundamente comprometidas. Cabe a uma categoria de técnicos e administradores, não só planejar avaliações e campanha, como também assessorar-se de cientistas, juristas etc, para criarem e fazerem cumprir a lei, que no espírito venha garantir o direito mais sagrado do cidadão, que é a sua qualidade de vida.
 

5) Bibliografia
1. Jouvet, M. (1977): Le reve. In: La Recherche en Neurobiologie. Seuil;Paris, 125-164.
2. De Koninck, J; Lorrain, D; Christ, G; Proulx, G; Coulombe, D (1989):Intensive language
    and increases in rapid eye movement sleep: evidence of a performance factor. Int. J. Psychophysiol.,
    8:43-47.
3. Pimentel-Souza, F. (1990): Cidadão de segunda classe. Jornal "Estado de Minas", BH, 9 maio.
4. Pimentel-Souza, F.(1991): Dormir (bem) é precioso. Entrevista para o Jornal "Estado de Minas" BH,
    10 fevereiro.
5. Cipolla-Neto, J.; Marques, N; Menna-Barreto, LS (Eds) (1989): Cronobiologia. Edusp, São Paulo,
    270.
6. Pimentel-Souza, F. (1989): Relógio biológico. Jornal "Hoje em dia", BH, 28 fevereiro.
7. Carlini, EA (1983): REM sleep deprivation and dopamine in the CNS. Reviews in pure and applied
    pharmacological sciences, 4, 1-25.
8. Santos, R; Carlini, EA (1983): Serotonin receptor activation in rats previously deprived of REM
    sleep. Biochem. Behav., 18, 501-507.
9. Calil, ME (1983): A bioquímica da Loucura. Ciência Hoje,1(6),23-29.
10.Fischer, FM et al (1989a): Biological aspects and self-evaluation of shift-work adaptation.
     Occupational Environmental Health, 61, 379-384.
11.Fischer, FM; Gomes, Jr; Colacioppo, S (Eds) (1989b): Tópicos de saúde do trabalhador.
     Hucitec, São Paulo, 239 p.
12.Czeiler, CA et al (1981): Chronotherapy: resetting the circadian clocks of patients with delayed
     sleep phase insomnia. Sleep ,4:1-22.
13.Mouret, J. (1982): Fondements biologiques de la privation de sommeil dans le traitement des
     depressions. L'éncephale, VIII, 229-250.
14.Reimão, R. (Ed.) (1990): Sono. Atheneu, Rio. 299p.
15.Vallet, M et aI (1975a): La pertubation du sommeil par le bruit de circulation routiére.
     CERNE-Institut de Recherche de Nuissances et del' Énergie, Bron.
16.Vallet, M et al (1975b): Effets psychophysiologiques des bruits d'avions sur Ie sommeil.
     CERNE-Institut de Recherche de Nuissances et de l'Énergie, Bron.
17.Chapon A, Pachiaudi G, Vallet M, 1972. Perturbations du sommeil par le bruit chez líhabitant.
     CERNE, BRON/France.
18.Terzano MG; Parrino L; Fioriti G; Orofiamma B; Depoortere H, 1990. Modifications of sleep
     structure induced by increasing levels of acoustic perturbation in normal subjects.
     Electroencephalography and Clinical Neurophysiology, 76:29-38.
19.ASDA (Eds.) (1990). The international classification of sleep disorders. Allen press,
     Lawrence, 396p.
20.Braz, S (1988). Estudo do sono e seus distúrbios numa amostra probabilística da cidade de
     São  Paulo. Tese de Doutorado, Escola Paulista de Medicina, 150p.
21.Guilherme, A (1991). Ruído ensurdecedor. Revista "Veja" (14 e agosto), 60-61.
22.CERNE (Eds.). (1979). Missions, moyens et résultats d'áctivité. Institut de Recherche des
     Transports, Bron, 99p.
23.Fallot, E. & Stein, SL (1979): Ce bruit que nous ronge. L'Express, Paris, 12 mai, 63-66.
24.Alvares, PAS (1982). Relatório técnico de avaliação preliminar dos níveis de som e ruído
     de alguns logradouros de Belo Horizonte. CETEC-COPAM-FEAM, Belo Horizonte, 54p.
25.Alvares, PAS et al (1988): Diagnóstico de ruído urbano de Belo Horizonte. SMMA,
     Belo Horizonte, 52.
26.Schultz, TJ ; Galloway, W; Beland D; Hirthe, PW (1976): Recommendations for changes in
     HUD'S noise policy standards, quoted from WHO (1980).
27.Cantrell, RW (1974): Noise, biochemical and sleep efects. The Laryngoscope, LXXXIV
     (10/2 suppl), 1-55.
28.World Health Organization (1980): Noise. WHO, Geneve, 103 p.
29.Tufik, S (1991): De bem com o stress, Revista "Veja", 6 novembro, p. 7-10.
30.Bonamim, LV (1990): Stress e Cancer. MSc Thesis, Faculdade de Medicina Veterinária e
     Zootecnia-USP, 65 p.
31.OIT (1980): Informe. Orgarización Internacional del Trabajo, Genebra quoted from
     Fischer et al (1989b).
32.Quick, TC; Lapertosa, JB (1983). Contribuição ao estudo das alterações auditivas e de
     ordem neuro-vegetativas ao ruído. Rev. Bras. Saúde Ocup., 9(36), 50-56.
33.Gomes, JR (1989). Saúde de trabalhadores expostos ao ruído. In: Tópicos de saúde
     do trabalhador, Fischer, FM et al (eds). Hucitec, São Paulo, 157-180.
34.Babisch, W (1991). Trafic noise as a risk factor for miocardial infartaction. Symposium
     on "Noise and Disease", Berlin.
35.Cohen, S; Tyrrel, DAJ; Smith, AP (1991): Psychological stress and susceptibiiity to the
     common cold. New England J. Med., 325: 606-612.
36.Voltaire, A (1949): Candide. Jan Forlag, Stockholm, 65p.
37.Azevedo, AV (1982): O país do barulho. Revista "Veja" (23 junho), p. 99.
38.Azevedo, AV (1990): Durma-se com um barulho desses ! Jornal "O Globo", Rio 13 maio.
39.Junqueira, JC (1990): Participante na Mesa Redonda "Legislação e Ambiente" no Seminário
    "Meio Ambiente e Legislação ", Belo Horizonte 24 maio, Câmara Municipal.
40.IPT (Ed.) (1988): Tecnologia de Edifcações . PINI, São Paulo,416-460.
41.Gerges, S. (1991): Tecnologia de minimização e medição da poluição sonora no meio urbano.
     Seminário "Silêncio e Saúde". SMMA-ABES, Belo Horizonte, 25 junho.
42.Silva, P (1991): Debatedor no Seminárío "Silêncio e Saúde". SMMA-ABES, Belo Horizonte,
     25 junho.
43.Alvares PAS e Pimentel-Souza F, (1992): "A Poluição Sonora em Belo Horizonte". Revista
     "Brasileira de Acústica & Vibrações, 10:23-42.
44.Smith, AP (1983): The effect» of noise and strategies of human performance. Proceedings of
     the 4th. International Congress on Noise as a Public Health Problem, Milano, 797-807.
45.Pimentel-Souza, F (1990): Distúrbios de sono é problema de Saúde Pública. Jornal "Estado
     de Minas", BH l0 junho.
46.Ferreira, LL (1989): Aplicação da cronobiologia na organização do trabalho humano. ln
     Cronobiologia, Cipolla-Neto et al (Eds.), Edusp, São Paulo, 233-252.

back.gif (205 bytes)